Melhoramento genético de sementes: vale a pena investir?
Melhoramento genético de sementes: vale a pena investir? - 16/09/2019

A genética é um tema cada vez mais recorrente no dia a dia, principalmente quando se fala em agronegócio. Graças aos avanços tecnológicos, o melhoramento genético está entre as técnicas mais utilizadas para o desenvolvimento de cultivares com o intuito de gerar mais qualidade e produzir em maior quantidade.

Apesar de ser uma prática cada vez mais comum na agricultura, o tema ainda deixa dúvidas. Será que vale a pena investir? Quais as vantagens e as desvantagens? Continue a leitura do artigo para saber mais sobre a transgenia.

Brasil é o terceiro maior produtor agrícola

 

De acordo com a Associação Brasileira do Comércio de Sementes e Mudas (ABCSEM), o Brasil ocupa a terceira posição no ranking mundial dos maiores produtores agrícolas. E para chegar neste patamar, o País investiu em técnicas de engenharia genética e biotecnologia.

A produção de organismos geneticamente modificados (OGM), também conhecida como transgenia, é aplicada na seleção de cultivares que passam por uma alteração genética a fim de desenvolver algumas características e conservar outras. Um dos exemplos mais conhecidos na mesa dos consumidores é o de frutas sem sementes, como a melancia e a uva.

Isso só é possível graças ao melhoramento genético e aos avanços da tecnologia, que trouxeram maior controle e eficiência para a produção agrícola e permitiram alterar partes isoladas do DNA de cada semente.

Vale a pena investir em melhoramento genético?

 

O uso da engenharia genética e da biotecnologia vem para solucionar problemas emergentes que surgem com as mudanças climáticas, além de atender demandas globais de sustentabilidade e de produção de alimentos para combater a desnutrição humana e o aumento da população.

No início, havia muitas dúvidas em relação aos efeitos que os alimentos geneticamente modificados poderiam causar ao organismo e até uma possível perda de nutrientes devido às alterações. Entre os principais benefícios do melhoramento genético estão:

• Resistência maior das plantas contra pragas;

• Menos uso de defensivos agrícolas;

• Melhor adaptação aos diversos cenários climáticos (seca, alagamentos) e às diferentes regiões de plantio (solo, clima, pragas mais recorrentes);

• Sementes com mais qualidade;

• Maiores níveis de produtividade na lavoura;

• Menos necessidade de água.

Vantagens e desvantagens das sementes geneticamente modificadas

 

Como qualquer área da vida, o melhoramento genético de sementes tem suas vantagens e desvantagens para o produtor rural, o mercado e o consumidor final.

Vantagens:

 

• Mercado: maior prazo de validade para os produtos comercializados;

• Produtor: com a maior resistência a pragas, doenças e mudanças climáticas, diminui a necessidade do uso de inseticidas e pesticidas, causando menos danos ao meio ambiente e reduzindo os custos de produção;

• Consumidor: melhoramento dos níveis nutricionais, alteração do sabor e no tamanho de alguns alimentos;

Desvantagens:

 

• Mercado: nem todos os laboratórios dispõem dos equipamentos necessários para as alterações genéticas, assim como profissionais capacitados para manipular as sementes da forma correta;

• Produtor: a maior resistência a pragas prejudiciais também pode afetar populações benéficas para manter o equilíbrio ecológico das lavouras;

• Consumidor: segundo reportagem do site Terra e artigo do Jornal Biosferas, podem ocorrer maior resistência a antibióticos e possibilidade de reações alérgicas.

Vale destacar também que a tecnologia vive em constante evolução, aperfeiçoando cada vez mais suas aplicações para a área agrícola e outros setores que impactam diretamente na economia. A tendência é que o mercado siga em expansão, adaptando as técnicas de acordo com as demandas que forem surgindo.

Gostou desse texto? Continue navegando em nosso site para saber mais sobre assuntos como esse!

navigation

Voltar ao Topo